26/07/17

Do desenho à escrita


“Desenhos” de Joana, nome fictício, desde os dois anos de idade.
As primeiras garatujas constituem uma verdadeira linguagem que manifesta a autêntica realidade interior.
Os desenhos de Joana como os de qualquer criança vão traduzindo o seu desenvolvimento, o grau de maturidade e o equilíbrio emocional.


A partir dos dois anos, a criança vai apreendendo a ordem gráfica e formal do traçado. As formas circulares são uma espécie de delimitação da sua identidade, do seu mundo.
A coordenação óculo-manual e da motricidade fina para a atividade gráfica do desenho e da escrita passa por um longo processo de desenvolvimento.







Cada gesto tem para a criança determinado sentido que para o adulto pode parecer sem significado. Um único desenho pode mesmo ter várias interpretações, porque a criança encontra-se num processo acelerado de desenvolvimento e, ainda, não existe nela a distinção clara entre lógica e emoção, entre sentimento e inteligência. A Joana fala de si mesma e da sua relação com o ambiente, através do desenho.

As figuras desenhadas sob a forma de rabiscos, presentes em todos os ambientes culturais, são uma fonte de prazer e desenvolvem o conhecimento sensório-motor e simbólico da criança.
A folha em branco constitui o símbolo do ambiente que a rodeia e do seu mundo.



A partir dos três anos, as figuras desenhadas começam a ser mais coordenados e mais interligadas com o meio circundante, chegando a atribuir-lhes nomes.






Depois dos quatro anos de idade, a evolução gráfica caminha a par e passo com o desenvolvimento afetivo e percetivo. Na figura humana, aparecem os braços e as pernas, em forma de riscos que partem, inicialmente, da cabeça.






A criança, de qualquer cultura ou nacionalidade, servindo-se do mais diversos utensílios e materiais de suporte, aprende a desenhar figuras próprias do seu meio ambiente como casas, árvores, pessoas ou animais. O pensamento evolui com o desenho e desenho aperfeiçoa-se com o pensamento.


A pressão exercida sobre o suporte, as cores escolhidas, a dimensão do desenho, a continuidade ou as interrupções do traçado ou a posição das figuras constitui uma ferramenta importante para a compreensão da interioridade da criança. 


Da sucessiva evolução de formas e de movimentos realizados por Joana resulta este texto capaz de transmitir uma mensagem linguística e grafológica. 

Sem comentários: