23/02/14

Escrita de uma pessoa cumpridora e de outra não cumpridora

Esta curta análise grafológica constitui o 150 º artigo do meu blog www.graphologia.blogspot.com , onde pode ser lida na íntegra.  
A crescente afluência de interessados por esta área do conhecimento incitou-me a escrever ao longo dos últimos anos. O blog obteve mais de 230.000 visitas, por pessoas de várias nações, com destaque para o Brasil, Portugal, Estados Unidos da América, Angola, Espanha e Argentina.
As palavras representadas na imagem foram extraídas de documentos escritos por António e Manuel, nomes fictícios. Trata-se de dois industriais da construção civil, do sexo masculino, possuidores de poucas habilitações literárias. O António tem cerca de 40 anos e o Manuel, à volta de 60. Apresento aqui, apenas, estas três palavras para evitar que os seus autores sejam identificados.
Esta curta análise grafológica não tem como objetivo descobrir as tendências ou pré-disposições destas personalidades, através da escrita. Tem, antes, como finalidade precisamente o inverso, ou seja, verificar se as pré-disposições, já conhecidas, destes sujeitos, para assumirem ou não os seus compromissos, deixam algumas marcas no modo como escrevem.
Quais são as marcas da escrita que indiciam que estas personalidades cumprem ou não os seus deveres profissionais?
Nestas palavras e em tantas outras pertencentes aos documentos analisados podem observar-se alguns sinais que nos indiquem que um sujeito é cumpridor e outro não? A resposta é afirmativa.
A debilidade e inconstância do António (autor dos termos 1 e 2) sobressai no traçado mais superficial. A inconstância e o consequente impacto negativo com o ambiente estão indiciados pela letra inicial “E” fragmentada, pelo “s” deformado e pelos carateres com dimensão irregular. A tendência para a incoerência, para a desordem e para a confusão estão refletidas nas letras deformadas. A sua ambição desmedida pode estar associada às hastes demasiado prolongadas. A dificuldade de socialização e de adaptação está associada às letras soldadas umas às outras, em vez de se apresentarem unidas normalmente.
O Manuel, indivíduo firme, apresenta uma pressão do traçado forte (termo 3). As suas boas capacidades de organização e de adaptação ao meio social estão patentes na adoção do modelo caligráfico. A modéstia e sinceridade que o caraterizam espelha-se na simplicidade dos carateres. A intuição e necessidade de clareza estão representadas pela falta de ligação e pela separação das letras nas palavras. A cautela e algum cansaço do Manuel estão refletidos na linha de base ligeiramente descente.   
A debilidade, a inconstância, o impacto negativo no meio social, a ambição desmedida e a dificuldade de socialização e de adaptação exprimem a tendência do António para o incumprimento.
Quando o António cumprimenta um amigo, aperta-lhe, levemente, a mão, exprimindo, inconscientemente, “não me comprometo”. 
As tendências ou pré-disposições de Manuel para cumprir os seus deveres deduzem-se da firmeza, objetividade, adaptação ao meio ambiente e sinceridade. Quando ele cumprimenta alguém aperta-lhe a mão com força, sugerindo, irrefletidamente, “em mim podes confiar”.

As assinaturas do António e do Manuel são semelhantes aos seus textos. A velocidade dos seus grafismos aparenta ser maior do que na realidade é. As alterações efetuadas não resultam de um ímpeto de criatividade, mas de escasso domínio da linguagem.O contexto gráfico do António apresenta-se menos positivo do que o do Manuel.

Conclui-se que o Manuel será mais digno de confiança do que o António. Com este será aconselhável agir com cautela e segurança, porque terá tendência a faltar aos seus compromissos. Com o Manuel poderá negociar-se à-vontade, uma vez que se trata de uma pessoa sincera e cumpridora da palavra dada. 

Sem comentários: