18/01/13

Escrita de um adolescente como sinal de alarme


Este pequeno texto foi  escrito por um adolescente de 14 anos, que frequenta, apenas, o 5º ano de escolaridade.
Nascido numa família desestruturada, foi acolhido por uma instituição.

Padece de bruscas variações de humor, é violento e pouco interessado pelos estudos.  Não é destituído inteletualmente, mas não consegue acompanhar, minimamente,  o ritmo da turma. Quer ser o centro das atenções e tem dificuldade em concentrar-se. 

O extrato aqui apresentado faz parte dum curto ditado, preparado antecipadamente. Os erros são mais que as palavras e quase tornam o texto incompreensível.  

A habilidade gráfica é reduzida. A escrita desordenada está cheia de colagens, rasuras e emendas. Os carateres são desiguais e as linhas, descendentes. Os movimentos contêm gestos regressivos e com angulosidades. O traçado é arrítmico e lento. A inclinação das hastes das letras é variável.  Os ovais são duplamente anelados e os laços apresentam sinais de tremura. Alguns traços finais terminam em maça.
A escrita desarmónica, com um rosário de erros, deste adolescente, incapaz de interiorizar as normas sociais, constitui um grito de dor e de revolta contra os outros e contra si próprio.


A desorganização e a instabilidade da escrita refletem instabilidade do Eu e confusão na avaliação objetiva da realidade. O adolescente não interiorizou referências sadias. O desenvolvimento psicoafetivo, o sentido de responsabilidade e capacidade de fazer escolhas estão desajustados da sua idade.

Os carateres apresentam-se mais largos do que estreitos, a zona inferior está bem presente e a pressão é desigual. Estes são indícios de que o rapaz, apesar dos fraquíssimos resultados escolares, não vive inibido nem se sente constrangido. O adolescente não é dado a atividades que requerem concentração e síntese, mas é capaz de exercer missões pontuais e arriscadas.


Oxalá que o sujeito escrevente, aqui anónimo, mas, na realidade, de carne e osso, ao reconhecer-se nesta sua escrita, seja capaz de combater os seus pontos fracos e de desenvolver as suas potencialidades.
 

 

Sem comentários: