31/08/12

A luz em documentoscopia (4)

 
O perito em documentoscopia serve-se de vários tipos de luz para fazer as suas análises.
Espetro visual total
 
De modo geral, utiliza a luz branca (luz natural), no espetro humanamente visível, no comprimento de onda entre 350 e 780 nanómetros. A sensibilidade do olho humano é máxima no espetro de onda à volta 550 nanómetros (laranja e amarelo).
Abaixo deste limite, recorre à luz ultravioleta ou lâmpada de Wood, com o comprimento de onda menor que 380 nm.
A radiação das ondas electromagnéticas é usada para o controlo de documentos, a fim de analisar o brilho do papel, as tintas fluorescentes e outras manipulações fraudulentas. A luz ultravioleta em si não é visível, apenas pode ser observado o seu efeito, ou seja, a fluorescência.
Acima deste limite, é utilizada a luz infravermelha com o comprimento de onda entre 700 e 1400 nm, detetanto tintas diferentes na escrita, alterações de dados e a pressão.
Os vários tipos de luz apresentam uma incidência episcópica ou diascópica.
A luz episcópica ou refletida incide sobre a amostra do lado do observador, pode ser vertical, rasante, oblíqua, unilateral ou bilateral.
 
A luz rasante permitiu evidenciar o relevo no verso da folha
A luz rasante, quase paralela ao plano, faz ressaltar sulcos, sombreamentos e relevos do traçado.
A luz diascópica ou contraluz incide sobre a amostra do lado oposto ao do observador e pode ser, também, projetada de vários ângulos. Não é aconselhável para objetos opacos.
Em cada situação, o perito saberá escolher a luz mais apropriada para relevar os elementos fraudulentos. 

Sem comentários: