31/01/09

Catherine Mangaud e o envelhecimento

A grafóloga Catherne Mangaud publicou, na revista la graphologie, nº 273, da Société Française de Graphologie, um extracto do estudo que realizou sobre o envelhecimento através da escrita.
Analisou 60 textos de pessoas dos dois sexos, com idades próximas dos 50/60, 70 e 80 anos. Chegou à conclusão que as modificações gráficas mais marcantes nas pessoas idosas se manifestam principalmente ao nível das hastes das letras, da direcção da linha de base, na dimensão, na pressão, nas irregularidades a nível das entrelinhas, no espaço entre palavras, na deterioração de certas formas, nas tremuras do traçado, na fragmentação e nas amolgadelas dos ovais. Constatou que o esforço para compensar as crescentes dificuldades conduziu a uma escrita mais lenta e retocada. Concluiu que os sinais de envelhecimento na escrita são mais precoces nalguns idosos do que noutros com a mesma idade cronológica.

Observações
Segundo as normas clássicas, a grafologia não nos fornece a idade do escrevente, mas, através da degradação da escrita, com o avançar dos anos, pode dar-nos indicações sobre o ritmo de envelhecimento cerebral, porque escrever é um acto do cérebro. Mas é no texto, mais do que na assinatura, que se dão maiores alterações, visto que esta última obedece a certos automatismos que perduram durante mais tempo.

Sem comentários: